Daiane Cardoso Escrito por 

Rabanada: Saiba como fazer na Air Fryer

Rabanada tem gosto de Natal. Reunião de família, muito amor envolvido, uma época cheia de renovação de fé e esperança.  Tem cheiro da casa cheia de gente, do vovô Afonso sentado ao pé da árvore, contando histórias e lendas com todos seus netinhos ao seu redor, com os olhos encantados, querendo ouvir sempre e sempre mais. Era a magia do Natal, a magia esperada de cada pedacinho daquela noite.

Rabanada tem gosto de Natal. Reunião de família, muito amor envolvido, uma época cheia de renovação de fé e esperança.  Tem cheiro da casa cheia de gente, do vovô Afonso sentado ao pé da árvore, contando histórias e lendas com todos seus netinhos ao seu redor, com os olhos encantados, querendo ouvir sempre e sempre mais. Era a magia do Natal, a magia esperada de cada pedacinho daquela noite.

INGREDIENTES
-fatias de pão francês dormido ou de pão para rabanada;
-1 ovo;
-1 xícara de leite;
-1 lata de leite condensado;
-Açúcar;
-Canela.

MODO DE FAZER
Misture o ovo, o leite e o leite condensado. Passe as rodelas de pão nessa mistura, depois, passe-as em açúcar e canela misturados. Coloque os pães na cestinha da Air Fryer e ligue, deixando por aproximadamente 8 minutos a 200ºC.
Pronto, a sua rabanada ficará maravilhosa!
Se quiser, ao retirar da Air Fryer, pode salpicar açúcar de confeiteiro.

Quando eu era criança, me lembro de que meu avô adorava me contar a história da rabanada, que ele gostava tanto. Era tão apaixonado por esse pão frito com canela, que em todo natal podíamos esperar que lá vinha o vovô, com sua bengala, para contar a história que ele tanto gostava. Lembro-me de que ele dizia que sua origem era tão confusa e incerta que não sabia como ela foi inventada, somente o porquê: o reaproveitamento do pão amanhecido, pois era tido como um ingrediente sagrado por representar o corpo de Cristo. Ele sempre remetia sua origem a Portugal, mas havia rabanada em todo o mundo. Suas palavras eram: "Esses gringos colocam nomes complicados para uma coisa tão simples: Eggy bread, na Inglaterra, French toast, nos Estados Unidos, e Pain Perdu, na França."

Meus pensamentos voavam enquanto eu olhava as luzes penduradas na árvore e a mesa arrumada. Acordei daquela realidade com a campainha. Era minha sobrinha Sophia com seu presentinho na mão, toda espoleta. Ok, agora era vez de o meu pai ser o avô e contar a história. Quando eles entraram, eu me dei conta de que, pensando no meu avô, eu tinha deixado minhas rabanadas queimarem no fogão. O cheiro tomou conta da cozinha e eu comecei a entrar em desespero.

E foi um anjo que me acudiu. Meu marido chegou e me lembrou de que tínhamos comprado a melhor fritadeira elétrica sem óleo Air Fryer, uma panela elétrica que funciona com um sistema de aquecimento composto com uma hélice que faz o ar super quente girar tão rapidamente que consegue cozinhar o alimento colocado lá dentro. Ela é prática, tem efeitos maravilhosos e, nesse caso, não utiliza óleo. Então, o risco de queimar era muito mais difícil. Como eu não pensei nisso antes?

Rapidamente, fui até o armário da cozinha, peguei a panela, cortei mais fatias de pão, passei no ovo, no leite, com leite condensado misturado, depois no açúcar com canela e, finalmente, as coloquei na cestinha da minha Air Fryer por aproximadamente 8 minutos a 200ºC. Pronto, a rabanada estava pronta e maravilhosa!

Salpiquei açúcar de confeiteiro e canela sobre elas, do mesmo jeito que minha mãe e minha avó fazem e fica maravilhoso. Fui até a sala carregando uma bandeja repleta de deliciosos pedacinhos de natal. Meu pai estava ajoelhado debaixo de arvore com minha mãe, irmãos e mais sobrinhos em volta, todos sorrindo e pegando uma rabanada. Todos ficaram surpresos com a rapidez e a agilidade com que eu fiz aquelas rabanadas. Uma das minhas tias até lembrou-se do meu avô dizendo que papai iria comer apenas rabanada, a noite de natal inteira, se sua adorável e amável presença ainda estivesse entre nós, nos fazendo alegres como só ele conseguia fazer. Era muita saudade.

A Air Fryer me salvou, salvou meu natal, fazendo-o mais feliz com a presença da nossa tão clássica e, dessa vez, muito mais saudável rabanada, sem precisar fazer sujeira com óleo, sem precisar correr o risco de queimar. Devo isso a meu avô, e claro, à rabanada que, dessa vez, estava de verdade muito mais suculenta.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Informações de Contato

  • Somos um site destinado a oferecer o que há de melhor em receitas e novidades da cozinha tradicional caseira regional.
  • Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Top